MuBE Virtual > Dados > Ver
Banco de Dados de Esculturas Brasileiras
   
Monumento às Bandeiras
Publicada por Companhia de Restauro

Autor da Escultura:
Victor Brecheret

Data de Inauguração:
25/01/1953

Cidade:
São Paulo

Estado:
São Paulo

Endereço:
Praça Armando de Salles Oliveira, 1-77 - Moema, São Paulo, 04001-070, Brasil


ver mapa completo


Imagens:

#phocagallerypiclens 25-phocagallerypiclenscode-shadowbox/26a0c275a6dea9c91844adc2811959bd.JPG  #phocagallerypiclens 25-phocagallerypiclenscode-shadowbox/8c6b810592254fcfd4c388f8c5022515.JPG  #phocagallerypiclens 25-phocagallerypiclenscode-shadowbox/89654ff62c25a07da1aee9ae1bedca29.JPG  #phocagallerypiclens 25-phocagallerypiclenscode-shadowbox/95165ef05c16c554cc011cf2a3ad106d.JPG  

Autor das fotos:
Companhia de Restauro

Motivo de sua criação:



Histórico da obra e/ou do autor:

Execução da Obra: A Incerpi e Cia. (oficina de cantaria)

Data de realização: 1920 a 1953


Informações Sobre o Escultor:

Victor Brecheret , um dos mais destacados escultores que atuaram no país, veio ainda criança da Itália para São Paulo. Freqüentou as aulas noturnas do Liceu de Arte e Ofícios, ali estudados desenho, modelagem e entalhe em madeira. Prosseguiu seus estudos escultóricos na Itália, entre 1913 e 1919, tendo sido aprendiz do escultor Arturo Dazzi e travando contato com o artista sérvio Ivan Mestrovic, cuja influência seria sentida fortemente na fase inicial de seu trabalho. Em 1920, já de volta ao Brasil, foi descoberto entusiasticamente pelos modernistas: suas obras, bastante inovadoras para os padrões do meio artístico paulistano de então, forneciam munição para os embates contra o academicismo. Em meio à febre de concursos para a realização de monumentos a que se assistia naquele período, Brecheret propôs a realização de um monumento em homenagem às bandeiras sertanistas, estimulado sobretudo por memorial descritivo. A obra, cuja maquete esteve exposta na Casa Byington partir de julho de 1920, não estimulou, entretanto, nem o patrocínio oficial nem o particular, mesmo tendo sido muito comentada através da imprensa. Em 1921, recebendo bolsa do Pensionato Artístico do Estado, válida por cinco anos, o escultor dirigiu-se a Paris, em viagem de estudos, doando a maquete do monumento ao governo do Estado.
Uma nova proposta foi apresentada em 1936 ao governador do Estado, Armando de Salles Oliveira, que decidiu construir o monumento à entrada do Parque do Ibirapuera – parque, aliás, ainda a ser projetado. No mesmo ano as obras de construção foram iniciadas, seguindo em ritmo febril até 1937, lentamente entre 1938 e 1939, sendo paralisada durante a Segunda Guerra.
Em 1944 o governo do Estado transferiu suas obrigações, no que se referia à construção do monumento, para a Prefeitura do Município.
Em 1946 foram retomados os trabalhos, mas só no ano seguinte teve início a execução em pedra. A inauguração, ainda com a base do monumento inconclusa, se deu nas comemorações do aniversário da cidade, em 1953.
Ao longo do tempo – desde a concepção inicial, em maquete, até a finalização da execução – o monumento, como destaca a historiadora de arte Daisy Peccinini, ganhou despojamento e densidade. Considerado pelo próprio Brecheret sua “obra capital”, acusada a recepção por parte da população através dos apelidos qu recebeu: variando entre “empurra - empurra” ou “deixa que eu te empurro”, eles estão sempre associados à forma como é apreendida aquela massa humana organicamente moldada numa massa organicamente moldada numa mesma direção. Reconhecimento como um dos monumentos mais marcantes e significativos da cidade de São Paulo, o Monumento ás Bandeiras foi tombado pelo conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico, do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT) através da Resolução n.º 31, de 07 de maio de 1985.
Victor Brecheret tem ainda, em logradouros públicos da cidade de São Paulo, as seguintes obras: Depois do Banho (Largo do Arouche); Graça I e Graça II (Galeria Prestes Maia); Monumento a Caxias (Praça Princesa Isabel); Fauno (Parque Tem. Siqueira Campos). Obras suas também são encontradas, em São Paulo, no Museu de Arte Contemporânea, Museu de Arte Moderna, Museu de Artes Assis Chateaubriand (MASP), Pinacoteca do Estado, Teatro Municipal, Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (acervo de Mário de Andrade), Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado, Museu da Casa Brasileira, Casa Guilherme de Almeida e Centro Cultural São Paulo, estando presente ainda em cemitérios da capital.
 



Observações:

Dadoà técnicos:
Peça – Granito Mauá (altura: 8,00m; largura: 7,00m; profundidade: aproximadamente 40,00m)
Pedestal – Granito Mauá (altura: máxima de 2,54m e mínima de 1,16m; largura: 8,40m,; profundidade: 43,80m)

Informações existentes na obra:
Placas –
1. Placa de granito, face frontal do pedestal (2,40m X 1,60m), contendo: gravação do mapa do Brasil com nomes dos bandeirantes e assinatura - AFFONSO DE E. TAUNAY
2. Placa de granito, face posterior do pedestal (0,80m X 0,80m), com as inscrições:

NO GOVERNO DO PROFESSOR
LUCAS NOGUEIRA GARCIEZ
SENDO PREFEITO MUNICIPAL
O ENG. ARMANDO DE ARRUDA PEREIRA
SECRETÁRIO DE OBRAS
O ENG. ALBERTO DE ZAGOTTIS
FOI CONSTITUÍDO E INAUGURADO ESTE MONUMENTOI
IDEALIZADO EM 1921
NO GOVERNO DO DR. WASHINGTON LUIZ PEREIRA DE SOUZA
CONTRATADO PELO INTERVENTOR ARMANDO DE SALLES
OLIVEIRA
E MODELADO QUANDO PREFEITO O DR. ABRAÃO RIBEIRO
SÃO PAULO, 25-01-1953

3. Placa de bronze, face posterior do pedestal (diâmetro de 0,60m):

PREFEITURA DE SÃO PAULO
MARCO..................DA CIDADE
R.N. 402 S.
PROTEGIDO PELA LEI
NÃO DESTRUIR

Inscrições –

1. Na face lateral esquerda do pedestal, gravada em baixo – relevo, em granito polido (2,30m X 1,00m):

GLÓRIA AOS HERÓIS QUE TRAÇARAM
O NOSSO DESTINO NA GEOGRAFIA
DO MUNDO LIVRE,
SEM ELES O BRASIL NÃO SERIA GRANDE COMO É
CASSIANO RICARDO

2. Na face lateral direita do pedestal (0,40m X 1,14m):

VICTOR BRECHERET
SÃO PAULO
1921-1953

3. Na face lateral direita do pedestal (2,05m X 0,70m):

BRANDIRAM ACHAS E EMPURRAM QUILHAS
VERGANDO A VERTICAL DE TORDESILHAS
GUILHERME DE ALMEIDA
 

Referência: Livro Obra de Arte em Logradouros Públicos de São Paulo – Regional Vila Mariana (Ed. Imprensa Oficial do Estado S.A. IMESP / 1993)



Materiais:
Granito

Natureza:
Monumento

Faça seu login para comentar.

Comentários:



Últimas Atualizações

Mantenedores
Assessoria
MCAtrês