MAM Rio recebe o hiperrealismo de Ron Mueck

Abriu hoje, ao grande público, a exposição “Still Life” no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Com curadoria assinada por Hervé Chandès e Grazia Quaroni (diretor e curadora da Fundação Cartier de Paris, respectivamente), a expo exibe a obra de Ron Mueck, artista australiano radicado em Londres.

Não é de hoje que Mueck trabalha com a tridimensionalidade; produzia bonecos e animatronics para a TV, e posteriormente,  trabalhou também para agências de publicidade e para a indústria do cinema. No filme “Labirinto”, dirigido por Jim Henson, é possível conferir alguns de seus trabalhos naquela época.

As esculturas de sua fase atual impressionam e magnetizam o observador por motivos diversos. A pesquisa cromática e a texturização de órgãos, verossímeis ao corpo, são impactantes à primeira vista. A ruptura da formalidade, em Mueck, se dá por um lado na dimensão dos objetos, e por outro, na expressividade figurativa.

A maior parte da produção de Mueck é colossal, e isso não é diferente com as esculturas enormes que o MAM abriga hoje. Apenas uma das nove peças que estão no museu tem tamanho inferior ao do corpo humano.

O toque mais pessoal de sua criação, contudo (e o que provavelmente lhe difere de outros hiperrealistas), reside na singeleza e introspecção de seus personagens. Alguns com expressões de grande serenidade, outros, com postura quase existencialista; todos, porém, muito expressivos, providos de temperamento, por uma combinação harmoniosa entre os estudos de gesto, de postura, posição e interação com o espaço. A intimidade de Mueck com a linguagem cinematográfica – extremamente exigente em caracterizações e composição – no passar do tempo, deve ter lhe presenteado com o perfeccionismo da técnica.

Mueck amplia as suas representações, colocando-as à altura dos sentimentos que exprimem. Brinca com as percepções de quem passeia por suas obras: ser colocado perante objetos inanimados, mas de físico marcante e emocionalmente carregados, chega a ser desconcertante. Nesta altura, o visitante já mergulhou completamente em sua obra.

"Boy", com 5 metros de altura, exibida na Bienal de Veneza de 1999

"Boy", com 5 metros de altura, exibida na Bienal de Veneza de 1999

A exposição Still Life, que vem da Fundação Cartier, já passou também pelo PROA em Buenos Aires e ficará no Rio até 01 de junho de 2014.

Para conhecer mais esculturas, clique aqui.

Texto: Luna Recaldes/Foto: Marcos Arcoverde