O colhedor de café

Se o estado de São Paulo detém, hoje, o maior poderio econômico do país, deve muito disso à atividade cafeicultora. De início, a produção difundiu-se principalmente pelo Vale do Paraíba, até se alastrar por vários municípios. O ciclo do café, dentre outras repercussões, atraiu imigrantes e impulsionou a ampliação das vias férreas e portos.

Há cerca de 11 anos atrás, a capital paulista ganhou uma estátua para representar o trabalhador das plantações e sua importância dentro desse contexto. Da autoria de Lecy Beltran, “O colhedor de café” está instalada na zona sul da cidade de São Paulo.

O mais curioso e singular desta obra, contudo, reside nos dois pés de café que a ladeiam. Com a passagem do ano, é possível observar os grãos tomando corpo e vida, até atingirem o “ponto de cereja” – quando estão prontos para serem colhidos. Diversos transeuntes param não só para admirar, como também para degustar os frutos maduros.

O bronze frio e escuro é  aquecido pelo vermelho-vivo dos frutos crescendo. A intensidade e contraste são acentuados pelo verde amistoso das folhagens.

A arte de Lecy é cheia de impacto, o que faz parecer que a estátua é uma verdadeira fotografia do movimento. Em um olhar – rápido, súbito ou talvez longínquo – a impressão é de vislumbrar um colhedor de café em plena atividade, cercado de folhagens e prédios.

Caso queira conferir de perto essa bela composição, basta ir até a Avenida Nove de Julho, zona sul da cidade.

Texto: Luna Recaldes

Imagens: Companhia de Restauro